Passeio de Natal 2013 - Grupo Cicloturismo de Montemor-o-Novo

Tal como é de tradição , 
vamos realizar dia 15 de Dezembro pelas 9 horas o nosso passeio de Natal . 
Temos para um percurso de cerca de 35 km de baixa dificuldade para todos ,
por entre o montado Alentejano ,
com algumas pequenas subidas e descidas mas de baixa dificuldade .

Já podem efectuar as vossas inscrições através do link :
 
Cá ficamos a vossa espera , inscrevam-se e apareçam .

Nota : As inscrições são gratuitas , coisa já rara.
--
 Delfino Santos 
Grupo Cicloturismo de Montemor-o-Novo

 http://www.cicloturmontemor.web.pt

XIX Concerto de Outono em Montemor-o-Novo 23/11/2013


Gentes da Minha Terra no Curvo Semedo

Gentes da minha terra
CINE-TEATRO CURVO SEMEDO I MONTEMOR-O-NOVO
23 de  NOVEMBRO l 21H30 l 2013
Apresentação no âmbito do Projecto Formação de Novos Públicos 2013 da Direção Regional de Cultura do Alentejo. Entrada livre. Bilhetes Disponíveis no Posto de Turismo a partir de 18 de novembro e no próprio dia do espetáculo na bilheteira do Cine-Teatro, a partir das 21h30.
A Companhia de Dança Contemporânea de Évora – CDCE, apresenta a 23 de novembro de 2013, pelas 21h30, Gentes da minha terra. O espetáculo é interpretado pelo elenco residente e por bailarinos convidados. A linguagem da criação retoma o universo identificável da dança e apresenta uma estrutura coreográfica, que vive da interação entre musica-imagens-movimentos. O tema central é o universo onírico do Fado.

No momento em que a cultura nacional afirma o Fado como património da humanidade, a coreógrafa Nélia Pinheiro cria um espetáculo pleno de imagens oníricas, que pretende homenagear essa grande figura do Fado - Amália.

A criação apresenta um diálogo lírico entre o fado, os poemas, o vídeo e o corpo.  A história remete-nos para esse mundo particular e nacional, que é o Fado. Um mundo lúgubre, um lugar sem tempo, inscrito na matéria do sonho e do desejo. Os Fados ecoam em cena como aromas das relações de homens e mulheres. Os corpos falam a voz da saudade. Os corpos envolvem-se em encontros e desencontros, ou abandonam-se à paixão.

Numa atmosfera cénica e visual marcada pela voz de Amália, e por imagens de Lisboa, os corpos dos bailarinos exploram diversos ambientes, suportados por sequências coreográficas, que exploram o corpo a solo, ou descrevem ações em coletivo. A genética das emoções é desenvolvida na relação que o corpo estabelece com outros corpos, com a música, ou com o vídeo.

A coreografia molda a música nos corpos e movimentos dos bailarinos, sem nunca querer ser uma ilustração das canções de Amália, mas uma matéria plena de poética. Cada momento fala de uma Lisboa atual, de uma Lisboa aberta ao mundo, onde persiste na genética das gentes, a saudade, e o fado ecoa pelas ruelas de alfama e se espelha no Tejo.

Duração | 60 min (s/ intervalo)
Escalão etário: Todos

Ficha Técnica
Direção e Coreografia | NÉLIA PINHEIRO
Bailarinos | Cocriadores GONÇALO LOBATO | ELINA CAMPOS |
NÉLIA PINHEIRO | RAFAEL LEITÃO
Textura Sonora | FADOS INTERPRETADOS POR AMÁLIA | ARVO PART | SPEED J.
Criação Vídeo Fernando Dias

A CDCE é uma estrutura financiada | GOVERNO DE PORTUGAL – SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA, Dgartes – Direção-Geral das Artes

A CDCE tem o apoio | Câmara Municipal de Évora, Fundação Eugénio de Almeida, Fundação C. Gulbenkian

Novo blog - Vila Cabrela

Vila Cabrela

Novo blog  da Vila de Cabrela, concelho de Montemor-o-Novo.
Pretende, esta página, atualizar e divulgar informações relevante para a freguesia e concelho,
 bem como num futuro próximo dinamizar o turismo e as actividades ao ar livre.

Fonte: Pedro Caiado do blog http://vilacabrela.blogspot.pt/

Restaurantes presentes no X Festival de Sopas 2013

A Câmara Municipal de Montemor-o-Novo, de modo a estimular o consumo da SOPA e divulgar o nosso Património Gastronómico, unindo a tradição aos benefícios deste prato tão saudável, coloca pela 10.ª vez a SOPA no centro das atenções.
O X edição do Festival de Sopas realiza-se nos dias 8, 9 e 10 de Novembro, no Pavilhão de Exposições de Montemor-o-Novo. A entrada é livre e não faltará muita animação e claro boa gastronomia. Do Alimado de cação à Sopa de peixe, da Canja de galinha do campo ao Caldo Verde, da Sopa de feijão com couve à Sopa de Tomate, são inúmeras as sopas a apreciar, sendo a seleção a principal dificuldade.
Uma nota também para a realização da sessão “Dieta Mediterânica”, a cargo das nutricionistas Cecília Soares e Carla Godinho, que tem lugar no sábado, pelas 12h00.
No Festival das Sopas 2013, participam 10 restaurantes, mas também estarão presentes o Atlético Clube de Montemor, a Herdade da Amendoeira (Queijos de ovelha, licores, compotas, enchidos e mel), a Associação de Artesãos “A Ciranda” (artesanato), a Casa João Cidade (Produtos hortícolas, plantas aromáticas, frutos da época) e a Associação Patolas e Patinhas.

Fique a saber os restaurantes presentes e as sopas que irão apresentar:
Restaurante A Bancada             
- Alimado de cação
- Feijão com abóbora
- Caldo Verde

Restaurante Quinta da Nora    
- Sopa de peixe
- Bacalhau Alimado
- Mogango com feijão
- Canja de galinha do campo

Restaurante PIC-NIC    
- Caldo Verde
- Sopa de Cação
- Sopa do Pastor

Snack-bar O Telheiro   
- Canja de Pombo
- Sopa de peixe (Achigã)
- Sopa de feijão com couve

Regalenga Bar  
- Sopa de Tomate
- Sopa de mogango com feijão
- Canja

Restaurante “A Pintada”          
- Sopa de cação
- Sopa da pedra
- Caldo verde

Taskina – Tapas e Petiscos        
- Creme de vegetais (sem batata)
- Creme de peixe
- Feijão de molhinho com ovos

Taskinha Low Cost        
- Pézinhos de coentrada
- Sopa de mogango com feijão
-Tomatada com ovo

Café Restaurante A Ferrenha   
- Tomatada em pingo de toucinho
- Sargalheta de batata com bacalhau
- Feijão frade de molhinho

Restaurante Manuel Azinheirinha        
- Sopa de Cação
- Canjinha de Aves
- Sopa de feijão com espinafre

Venha provar a Sopa Km0 no X Festival de Sopas

Venha provar a Sopa Km0
A "Sopa km0" é uma sopa produzida com alimentos locais, que não necessitam de ser transportados a longas distâncias, contribuindo para a economia local, para a preservação do ambiente e para uma alimentação mais saudável.

Venha conhecer a "Sopa Km0"  - uma das novidades  no Festival das Sopas de Montemor-o-Novo  (8 a 10 de Novembro de 2013).

Restaurantes  com "Sopa Km0"no Festival:

-Quinta da Nora - Sopa de Mogango
-A Bancada - Sopa de Abobora
-A Ferrenha - Ensopado de Borrego
- Manuel Azinheirinha - Sopa de feijão com Espinafres
-Taskinha - Creme de Legumes
-Pic- Nic - Sopa da Horta
-Tasquinha Low Cost - Sopa de Feijão com Mogango

Como surge a "Sopa km 0"?

A "Sopa Km 0" é uma primeira abordagem local ao conceito "Km0". Este desafio foi laçando pelo Cidadão Rogério Godinho, da Rede de Cidadania de Montemor-o-Novo, com o objetivo de ajudar a divulgar e promover o consumo de alimentos produzidos localmente (Vetor II da Agenda 21 Local).

Rogério Godinho apresenta-nos este conceito:
"O conceito da denominação Km 0 ganhou força e notoriedade por meio do movimento Slow Food, que é considerado um movimento social, muito além do gastronómico. "Slow Food significa dar a justa importância ao prazer ligado ao alimento, aprendendo a desfrutar da diversidade das receitas e dos sabores, a reconhecer a variedade de locais de produção e dos seus artesões, a respeitar o ritmo das estações e do convívio." Foi através dele que regiões agrícolas italianas - e hoje de outras tantas nacionalidades- resgataram a dignidade do pequeno agricultor e valorizaram as práticas mais tradicionais passadas de geração a geração.

A expressão Km 0 foi emprestada do protocolo de Kyoto e procura mudar estilos de vida, privilegiando o Local ao Global, alertando, por exemplo, que numa refeição tão comum e portuguesa como o bitoque - em que a carne é importada da América do Sul, as batatas de França, a salada de Israel, o vinho da Austrália, a fruta de Espanha e o trigo para o pão da Rússia - em termos energéticos, há maior gasto de energia nos processos de transporte, armazenagem e embalagem do que o ganho energético dessa refeição.
Para além do consumo de petróleo envolvido, a pegada ecológica resultante das emissões de dióxido de carbono e ligada às produções em regime intensivo é brutal.

Encurtar a distância da produção ao consumo, diminui o consumo energético, ajuda o meio ambiente e promove as regiões agrícolas locais, salvaguardando as variedades e espécies típicas de cada região. É um mito que a pequena produção local tenha de ser obrigatoriamente mais cara. O preço final ao consumidor é, essencialmente, resultante dos interesses financeiros e dos desinteresses políticos e sociais. Nos mercados agrícolas locais, onde o produto típico é vendido sem intermediários, sem embalagens e sem custos de armazenagem existem todas as condições para os produtos agrícolas serem mais baratos e mais saudáveis."

Agenda Mor Semana - 9 de novembro 2013 - Município de Montemor-o-Novo

http://issuu.com/canaspaulo/docs/mor_semana_09.11_hd